sábado, 12 de junho de 2010

Resenha: Mil e Uma Noites de Silêncio

Voltando à normalidade aqui no blog...! (Finalmente minha internet de 2mb chegou! :D)

Mil e Uma Noites de Silêncio, da Mayra Dias Gomes. Falei com a Mayra querendo esse livro, mas como ela está nos Estados Unidos, pediu que eu falasse direto com a editora. Então, falei com a Record e eles me mandaram! Li em dois dias!
Sinopse: "Abandonada pelos pais biológicos, largada pelo noivo no altar e órfã de mãe adotiva, Clara é uma garota em negativo. Vive uma existência suspensa, na qual os dias se arrastam sem motivação e o cotidiano é um ritual sem sentido. Quando enfrenta uma nova decepção amorosa, Clara decide tomar as rédeas de sua vida e parte em busca de uma antiga e idealista amiga. À partir daí, entrará em contato com um mundo tresloucado de prostituição, assassinato, drogas e glam rock, reencontrando sua própria juventude perdida. “Mil e uma noites de silêncio” é o diário de uma garota que não existe. Uma narrativa onde todos são dúbios e a realidade se desenrola como um pesadelo. Neste seu segundo romance, Mayra Dias Gomes prova que não é apenas uma personagem, é uma escritora de imaginação delirante. Seus cenários podem ser vistos como o inferno para alguns, e o paraíso para outros. Para mim, foi uma delícia levar os seres deste livro para a cama. Quero um pouco do que ela está tomando" (Sinopse da orelha do livro, escrita por Santiago Nazarian).

Bem, o livro conta a história de Clara, uma mulher de 26 anos. Ela foi adotada aos quatro meses de idade, e acabou de perder sua mãe adotiva para o câncer. Ela vive numa espécie de transe pelo luto, sem conseguir dormir, sem comer direito, sem viver realmente. Sua vizinha e amiga, Lurdez, é o seu único apoio. Ela a ajuda a melhorar os dias e até a convence a arrumar um novo emprego. Mesmo com todos os medos, Clara consegue o emprego na floricultura, e lá conhece Lukas, e mais uma vez indo contra todos os medos e angústias, eles começam um relacionamento, no início um mar de rosas. Por um tempo Clara consegue de entregar, mas o que acontece com Lurdez a arranca do seu "estupor" de felicidade. Voltando às noites insones e à vida sendo arrastada, Clara tenta se comunicar com sua antiga amiga de faculdade, por achar que o passado e seus sonhos seriam melhor que o presente e o futuro. Depois de um mês aparentemente sem resposta, Clara acha a carta de Camille escondida numa das gavetas de Lukas, e se revolta diante da traição dele. Decide fugir, de volta ao passado, indo para a casa de Camille. Mas o que ela encontra lá não é nada parecido com o passado, e isso só aumenta os medos dela. E toda essa situação, que ela nunca imaginou que iria presenciar - que inclui drogas, preconceito e vulgaridade - vai levá-la a medos profundos, lutas constantes, voltas a um passado que ela não conhecia (trazendo seu antigo noivo e até sua mãe biológica) e uma busca constante por algo: Clara, assim como qualquer ser um humano, não sabe muito bem o que é.
O livro é tenso. Clara é assombrada por diversos fantasmas e o medo dela de se relacionar, de falar com alguém, é algo intenso demais. Na minha cabeça eu dividi o livro em "antes de Lukas", onde ela sofre na solidão terrível do apartamento que vivia com a mãe, que morreu. Quando ela conhece Lukas, ela sente algo por ele, mas me deu a impressão que ele sentia muito mais e que ela acabou sendo arrastada na relação. Chega um momento que o leitor percebe que ela não deveria estar ali. E quando ela percebe isso (com o incidente da carta), ela deixa ele e vai pra minha segunda parte do livro, "depois de Lukas", uma parte ainda mais sinistra. Na carta que Camille lhe responde, a vida dela não parece ser fácil, mas quando Clara percebe o quão afundada em miséria e obscuridade a vida de Camille é, ela já está lá, sem ter pra onde ir, sem saber o que fazer. Resolve seguir até ter alguma forma de sair dali, mas depois de um tempo ela descobre algo que muda completamente sua visão sobre Camille (que já não era essas coisas todas). Com a ajuda de uns amigos (e uma quase paixão, que Clara não quis continuar), Clara resolve ter mais um confronto, com sua mãe biológica. Chegando lá tudo parece um mar de rosas, mas mais uma vez Clara descobre que nada é como se parece. E encara uma terrível verdade. Praticamente uma história de amor e ódio. Só tenho dois poréns pro livro. São duas histórias meio mal contadas, que não foram explicadas muito bem e eu senti falta: a história sobre o noivo e sobre a mãe. Não entendi como/porque eles a deixaram. Mas de resto, a história é dura, mas cheia de verdades e muito bem escrita. Adorei conhecer a Clara, me identifiquei com algumas coisas, e chorei outros tantos. Quatro estrelas, mas recomendo ler com a cabeça leve! Muitíssimo obrigada à Mayra Dias Gomes pelo apoio e à Editora Record pelo livro!


4 comentários:

Lucas Geraldo disse...

nossa, que história loca! mas gostei :D
estou te seguindo
Até mais! Abraços!

Thayná disse...

WOW! @_@
Minha irmã leu esse livro, e ela disse que gostou "mais ou menos". Não me empolguei muito pra ler, pra ser sincera :S
Mas que história louca, em! HUAHSUAS
Ótima resenha!
Beijoo :*

Karina Cristina disse...

Olha se fosse pela capa eu não compraria o livro, mas lendo sua resenha, ele parece ser maravilhoso. É como naquele ditado "não se julga um livro pela capa" ou algo assim kkkk
bjs

Giu Fernandes disse...

Oii Mari!
Não conhecia esse livro.. acho q não é mto meu estilo, mas pela sua resenha parece ser mto legal!! :)
Beijos!

Postar um comentário

Obrigada por participar do blog!

 
BlogBlogs.Com.Br